POLÍTICA

Lula diz que será candidato "se for necessário"
Petista chamou Bolsonaro de fascista e genocida durante entrevista

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está elegível para disputar as eleições de 2022 após ter as condenações anuladas pelo STF. Em entrevista ao canal de TV argentino C5N, o petista falou sobre o seu futuro eleitoral.

“Se for necessário serei candidato, para ganhar as eleições de um fascista que se chama Bolsonaro, um genocida, por ser o maior responsável pelo caos na pandemia”, afirmou. Lula ainda disse que “não necessariamente será o candidato do Partido dos Trabalhadores".

“Foi uma mentira muito grande, mas meus advogados provaram que era uma farsa. O juiz mentiu, os procuradores mentiram, a Polícia Federal mentiu, porque tinham que me tirar da disputa eleitoral. Mas estou pronto para a briga”, completou.

Apesar da decisão do STF, ainda está em aberto se as quatro ações penais que miram Lula (do tríplex do Guarujá, do sitio de Atibaia e duas sobre o Instituto Lula) vão ser encaminhadas para a Justiça Federal do DF ou de São Paulo, onde serão retomadas e ganharão uma 'nova vida'. O julgamento será retomado na próxima quinta-feira, quando o plenário vai analisar um outro ponto delicado: se a suspeição do ex-juiz federal Sérgio Moro vai ser arquivada ou não.

Pelo raciocínio de Fachin, se a condenação que Moro impôs a Lula na ação do tríplex do Guarujá não existe mais, não faz mais sentido discutir a atuação do ex-juiz federal no caso. Mesmo assim, a Segunda Turma decidiu, no mês passado, por 3 a 2, declarar Moro parcial no caso. Agora, a palavra final será do plenário, que deve se dividir sobre o tema.

A suspeição de Moro é uma questão-chave para o futuro da Lava Jato e de Lula, porque os ministros vão decidir se as provas coletadas pelo ex-magistrado serão reaproveitadas ou não pelo futuro juiz que assumir os casos do ex-presidente. Um dos temores de investigadores é a de que, com a declaração de parcialidade de Moro, haja um efeito cascata, contaminando outros processos da Lava Jato nos quais Moro atuou. Se for mantida a suspeição de Moro, as ações terão de voltar à estaca zero.

*Com informações do Estadão Conteúdo





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |   12/05/2021 04h10


POLÍTICA  |   08/05/2021 13h40