SAÚDE

Central de encaminhamento para leitos hospitalares atende quase 2 mil paranaenses por dia


Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Diariamente, cerca de 1,9 mil pessoas são internadas no Estado. O número representa pelo menos uma pessoa por minuto. Dados da Central de Acesso à Regulação (CARE) da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) mostram que dentre as 61.362 solicitações de leitos realizadas no mês de maio no Paraná, 56.132 - 91,5% - foram concluídas com o internamento do paciente em até 24 horas.

Neste período, 2,4% das solicitações tiveram um tempo médio de espera maior que um dia e 6,1% foram finalizadas após o período de 48h. Cerca de 10% dos pedidos referem-se às Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e os demais são solicitações para leitos clínicos de enfermaria.

A central é responsável pela gestão das solicitações inseridas no sistema do Estado para dar encaminhamento aos pacientes, seja para urgência e emergência, consultas, exames e até mesmo cirurgias. São quatro equipes responsáveis pela regulação que atendem 24h e que se revezam (duas durante o dia e duas à noite). Ao todo são 22 médicos, 28 assistentes de regulação, um coordenador médico e dois coordenadores e um assistente administrativo.

"No Paraná, tivemos um aumento nos atendimento no final do outono, mas mesmo assim conseguimos nos organizar com a rede de leitos. O pedido de internamento é feito pelos serviços médicos que estão nas UPAs ou em hospitais de menor porte de todo o Estado. Nossas equipes trabalham dia e noite ininterruptamente para que todos os pacientes tenham atendimento rápido, seguro e eficaz", enfatizou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

Paraná prorroga vacinação contra a gripe e solicita mais 500 mil doses ao Ministério da Saúde

PROTOCOLO - A Central de Regulação funciona de maneira integrada com todos os municípios paranaenses de gestão estadual. Ela contempla as referências intermunicipais de consultas especializadas e exames e internações hospitalares. O trabalho é realizado com base no conhecimento da capacidade de oferta de consultas e exames especializados públicos, contratados e conveniados, que integram a rede do SUS.

O tempo de espera tem início a partir do momento em que o paciente é inserido no sistema da CARE. Após receber o pedido, a central realiza uma busca ativa na rede de leitos e, com a confirmação da vaga, a unidade hospitalar solicitante é avisada para providenciar a transferência do paciente.

A equipe da central avalia cada solicitação individualmente, por meio da análise das informações sobre as condições clínicas, exames complementares e diagnóstico médico. Essas informações são inseridas no sistema pela própria unidade solicitante, que também é responsável pela atualização constante desses dados. Após a avaliação, o regulador procura, na rede de referência do SUS, pelo serviço que atenda às necessidades do paciente.

Mesmo sem casos suspeitos, Paraná capacita serviços para detecção da varíola dos macacos

"O processo é muito dinâmico. Gerenciamos quase dois mil internamentos todos os dias. É um número expressivo de pacientes e temos de priorizar aqueles com maior necessidade terapêutica. As informações repassadas pelo serviço médico de origem relatam quais pacientes têm maior risco de complicações ou precisam de intervenção imediata", disse o diretor de Gestão em Saúde, Vinícius Filipak.

O diretor ressaltou ainda que aqueles pacientes que aguardam por leitos e que não são internados em até 24h, continuam recebendo atendimento. "O giro de solicitações é muito grande, e enquanto isso todos os pacientes estão sendo assistidos. Assim como os internamentos, também temos as altas hospitalares e ainda os cancelamentos, que chegam a quase 13% e demandam todo um remanejamento da central", afirmou.

Carros entregues pelo Estado já reforçam atendimentos de saúde em todo o Paraná

DADOS - Segundo a Regulação de Leitos, o Paraná possui 2.021 leitos de UTI geral, sendo 1.826 UTI adulto e 195 pediátricas. Já com relação a leitos clínicos, o Estado soma 6.444 enfermarias adulto e 2.016 pediátricas.

Em maio, na Macrorregião Leste (que possui o maior número de habitantes do Estado) foram registradas 22.188 solicitações, sendo que 89,4% foram atendidas em 24h, 2,9% em até dois dias e 7,8% após 48h.

Na Região Oeste, 11.707 pacientes tiveram o pedido de internamento realizado em menos de 24h, que corresponde a 95,2% do total (12.295). Cerca de 3% dos pacientes tiveram de esperar mais do que um dia.

O cenário é semelhante na macrorregião Norte. Durante esse período, 14.914 pacientes precisaram ser encaminhados aos hospitais, sendo que 92,4% deles foram internados em 24h, 280 (1,9%) acima desse tempo e 854 (5,7%) tiveram um tempo maior do que 48h.

Na macrorregião Noroeste, o número de solicitações para internamento chegou a 11.965. Desses pacientes, 10.814 (90,4%) foram atendidos em 24h, 328 (2,7%) acima de 24h e 823 (6,9%) tiveram uma resposta de encaminhamento acima de 48h.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM