SAÚDE

Busca por testes de covid-19 se intensificam em Maringá e lista de espera pode chegar a oito dias

Na última quarta-feira (12) a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), emitiu uma nota técnica recomendando que laboratórios fizessem a testagem de covid-19 apenas nos casos graves, pois a possibilidade de desabastecimento dos estoques é iminente. 

Em nota, o Ministério da Saúde informou estar atento à situação de testes para covid-19 e disse realizar "rotineiramente" o monitoramento da disponibilidade dos insumos necessários para a realização dos exames no Sistema Único de Saúde (SUS). A pasta destacou, porém, que cabe aos estados e municípios adquirir os recursos para os diagnósticos.

No Paraná, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) distribuiu mais de meio milhão de testes rápidos de antígeno para diagnóstico da Covid-19 às 22 Regionais de Saúde do Paraná desde outubro de 2021. Os exames apresentam resultado em até 15 minutos.

"O Paraná é referência em testagem desde o início da pandemia da Covid-19 e agora, com o aumento dos casos, essa estratégia deve ser mantida para reforçarmos o isolamento imediato e conter a disseminação do vírus", afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Os testes rápidos de covid-19 estão sendo realizados nas UBSs Império do Sol, Vardelina, Universo, Quebec, Ney Braga, Cidade Alta, Industrial, Morangueira e Internorte e Guaiapó-Requião, de segunda a sexta, das 9 às 16 horas. Nas Unidades de Pronto Atendimento Sul ou Norte os testes são realizados de domingo a domingo, 24 horas por dia.

A Secretaria de Saúde de Maringá orienta que sejam realizados testes em pessoas no quarto dia de sintomas leves e em pessoas com sintomas graves. As unidades distribuem senhas de acordo com a capacidade de atendimento e fechamento de cada UBS.

Entre os maringaenses, a procura por testes de covid-19 no setor privado também se intensificou após as festividades de fim de ano com a nova e menos letal onda da doença na cidade. Nas redes de farmácias da cidade é possível avistar grandes filas para realização do teste de covid-19. 

Luan, de 31 anos, teve que esperar quase duas horas na fila para ser testado em uma farmácia longe da área central da cidade. "Busquei uma unidade mais afastada achando que seria menos demorado. Mas tá tudo cheio e muitos casos positivos", disse o empresário.

A farmacêutica Isadora, de 24 anos, afirmou que a movimentação se intensificou muito nas primeiras semanas de janeiro. "Além da grande procura por testes, as máscaras de proteção esgotam muito rápido e a quantidade de gente em busca de remédios para gripe, garganta e tosse também foi surreal. De 10 clientes, oito estão procurando remédios para aliviar sintomas de gripe e covid", relatou. 

Além das grandes filas de espera nas farmácias da cidade, os laboratórios também estão sobrecarregados com a quantidade de testes solicitados. Alguns estão com lista de espera de até oito dias para testes PCR. 

Questionada sobre a demora para realização dos testes a atendente, que não quis se identificar, destacou que, além da alta demanda, alguns profissionais estão afastados por gripe ou covid-19 sendo "menos pessoal com mais trabalho". 

"Todo mundo tá com covid-19 ou gripe, inclusive os profissionais da linha de frente, da saúde, que são os que cuidam de todos os outros profissionais. Sem eles disponíveis não tem o que fazer, o jeito é esperar. Graças à vacina não há casos de vida ou morte igual antes, então, dentro do possível, estamos entregando diagnósticos a todo vapor", finaliza. 

De acordo com o Vacinômetro de Maringá, 92% da população adulta já está vacinada com a primeira dose do imunizante ou dose única. Com a segunda dose, 88% já estão vacinados. Em relação aos adolescentes entre 12 e 17 anos, o índice de vacinados com a primeira dose corresponde a 96%, e com a segunda, 63%.

Quem deve fazer o teste da Covid-19:

• Indivíduos assintomáticos, mas que tiveram contato com caso confirmado da doença nos últimos 14 dias;
• Pacientes sintomáticos, até o sétimo dia a partir do início dos sintomas, com melhor sensibilidade do primeiro ao quinto dia;
• Pacientes que são internados sem suspeita clínica de Covid-19;
• Indivíduos residentes e trabalhadores em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), abrigos, orfanatos, entre outros;
• Indivíduos que vieram de áreas com alta incidência de novas variantes de preocupação, sem transmissão comunitária, devem fazer o teste entre o 5° e o 7° dia a partir da data de retorno.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM